topo
Oração
18/09/2012 19:31:13 - Atualizado em 18/09/2012 20:27:02
Batalhando, mas não sozinhos!
Há presença inequívoca do mal no mundo e estragos que ele acaba causando na sociedade e na vida das pessoas.

Há presença inequívoca do mal no mundo e estragos que ele acaba causando na sociedade e na vida das pessoas. Se em relação a Deus, o sumo Bem, a gente precisa conhecer melhor para melhor amar, em relação ao mal, pode-se dizer, que é conhecer melhor para melhor se evitar e até mesmo combater.

A presença do mal na vida de cada pessoa

“Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero.” (Rm 7, 19)

Você certamente já se deparou com essa luta dramática em seu interior. Primeiramente, não se assuste se isto estiver acontecendo com você, pois a presença do que é bom e do Bem maior está em você, senão não haveria luta. A pessoa que, de alguma forma, está dominada ou, pelo menos, turvada pelo mal já não consegue dissociar uma coisa da outra: bem e mal não se distinguem, não há discernimento para se perceber o que é um e o que é outro.

Esse confronto interno é, antes de tudo, fruto do pecado original, aquele sinal que está presente em toda a humanidade, inclinando-nos para o mal (concupiscência) e lançando-nos, assim, ao combate espiritual (Catecismos da Igreja Católica – CIC – nº 405).

Mas o apóstolo Paulo afirma que esse não é o último capítulo da história e que é possível experimentar a paz pela ação da Graça de Cristo em nós. Todo o capítulo 8 da mesma Epístola aos Romanos nos fala sobre isso. Vale a pena ler. Faça esse exercício de fé!

A única forma de triunfar sobre o mal

“Não te deixes vencer pelo mal, mas triunfa do mal com o bem.” (Rm 12, 21)

Diante do mal que nasce dentro de nós e de pessoas que intentam coisas más contra nós, só há uma forma de vencer essa força: com o bem! É preciso absorver o impacto e não devolver da mesma forma. Seja em ação ou em pensamento, o mal irá crescer ainda mais se entrarmos na mesma vibração. É como se costuma dizer: tentar apagar um incêndio jogando gasolina. Se alguém tem usado de maldade com você, não revide, pois você sofrerá duplamente: não só o mal que objetivamente lhe foi feito, mas também as consequências do seu revide.

É só se lembrar do que Jesus disse: “Tendes ouvido o que foi dito: olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra” (Mt 5, 38s). Para vencer o mal é preciso não resistir ao mau!

 

A realidade do mal é maior do que nós

“Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares.” (Ef 6, 12)

No Pai Nosso, a oração que Jesus nos ensinou, o último pedido que fazemos é “livrai-nos do mal”. Diz o Catecismo da Igreja Católica: “Neste pedido, o Mal não é uma abstração, mas designa uma pessoa, satanás, o maligno, o anjo que se opõe a Deus. O diabo (‘dia-bolos’) é aquele que ‘se atravessa no meio’ do plano de Deus e de sua ‘obra de salvação’ realizada em Cristo” (CIC, 2851).

Há uma batalha que se trava nos campos invisíveis. Para que saber? Saber para não temer e para não ser emboscado. Infelizmente, até mesmo na Igreja, existem aqueles que negam este ensino das Escrituras e que é confirmado pela Doutrina da Santa Igreja. Pense: a quem interessa a negação desta batalha? Não é mais fácil quando o inimigo pode ficar disfarçado e agir sorrateiramente?

Por outro lado, lembro: Como se diz, não vá buscar pelo na casca de ovo. Não se deve demonizar todas as realidades, mas tampouco ignorar a realidade desta batalha.

Não estamos sozinhos em nossa luta contra o mal

“Não te peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do mal.” (Jo 17, 15)

Encontramos Jesus nos seus últimos momentos entre os homens, intercedendo junto ao Pai por nós. Na chamada “oração sacerdotal”, Jesus pede por cada um de nós pessoalmente. Sendo profundamente humildes por um lado e na ousadia que a fé nos dá, podemos, então afirmar e desafiar com o apóstolo Paulo: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8, 31).

Portanto, não tenha medo daqueles que dizem ou insinuam que irão “amarrar” a sua vida, “fazer um trabalho” para destruir você ou coisa semelhante. Recorde-se da promessa das Escrituras: “Vós, filhinhos, sois de Deus, e os vencestes, porque o que está em vós é maior do que aquele que está no mundo” (1Jo 4, 4).

Não é maravilhoso isso? Mas que não seja esta certeza uma desculpa para não se manter em vigilância. Vale a pena, mais uma vez, citar aqui o Catecismo da Igreja Católica: “O poder de satanás não é infinito. Ele não passa de uma criatura, poderosa pelo fato de ser puro espírito, mas sempre criatura: não é capaz de impedir a edificação do Reino de Deus. Embora satanás atue no mundo por ódio contra Deus e o seu Reino em Jesus Cristo, e embora a sua ação cause graves danos – de natureza espiritual, e indiretamente, até de natureza física – para cada homem e para a sociedade, esta ação é permitida pela Divina Providência, que com vigor e doçura dirige a história do homem e do mundo” (CIC, 395).

Auxiliares valorosos

“Contra esses adversários não há ninguém que me defenda a não ser Miguel, vosso chefe.” (Dn 10, 22)

O contexto em que está inserido este versículo da Palavra é a batalha que se travava em Israel. São Miguel Arcanjo é o guardião do Povo de Deus, Israel, e veio em auxílio de um outro anjo que lutava contra alguns principados da maldade.

Em nossas lutas espirituais, Deus, na sua infinita misericórdia, designou os seus anjos e arcanjos para nos socorrerem. Esta consciência sempre foi viva na Igreja.

Diz-se que o Papa Leão XIII quando fazia sua ação de graças na Missa, viu, em determinado dia, a Terra inundada por nuvens sombrias de espíritos infernais. Daí, ele compôs uma oração que é recitada por milhões de cristãos todos os dias:

“São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede o nosso refúgio contra todas as ciladas e maldades do demônio. Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos e vós, Príncipe da Milícia Celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno a satanás e a todos os espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Assim seja.”

Que tal fazer o mesmo? Consciente de suas batalhas, que são nossas batalhas, unamo-nos como um poderoso exército, conquistando vidas para o Reino de nosso Deus!

Leia também

Quaresma de São Miguel

São Miguel e nossas Batalhas Espirituais

Twitter Facebook Orkut Messenger
Linked Yahoo Meme Google Buzz Delicious
mySpace Blogger Sonico Digg

Este recurso será liberado em breve. Aguardando validação do servidor.

dados do(a) autor(a)
Padre Sérgio
 
twitter.com/padresergioluiz
facebook.com/falecompadresergio
padresergio.com
Pe. Sérgio é sacerdote Redentorista. Atualmente pároco em Juíz de Fora na Igreja da Glória. Procura guiar o seu ministério levando as pessoas a experimentarem a...
12 últimas atualizações
Contato

Paróquia da Glória
Avenida dos Andradas, 855 - Morro da Glória
CEP: 36036-050 - Juiz de Fora (MG)
Telefone: (032) 3215-1831
Siga-me nas redes sociais

Dados Técnicos

Este web site utiliza as tecnologias como HTM5 e CSS3 e é compatível com os seguintes navegadores:
Sistema web desenvolvido por:
Copyright © 2012 Todos os direitos reservados.